Embora Gilles Deleuze nunca tenha dedicado um livro à música, ao contrário do que fez com a pintura e com o cinema, a música lhe rendeu um de seus principais conceitos, o de  ritornelo, e o mecanismo que atravessa esta máquina de fazer girar: a autonomização dos personagens, os personagens conceituais. Passo a passo com estes e outros conceitos, também ressoa em seus livros uma música bem específica, aquela dos compositores que marcaram as mais diversas reviravoltas do universo sonoro do séc.XX, Edgard Varèse, Igor Stravinsky, Anton Webern, Alban Berg, Arnold Schoenberg, Pierre Boulez, Luciano Berio, John Cage, e que revelam uma escuta num espaço não mais restrito ao que é sonoro. Esta palestra tem por tema justamente apresentar esta música com foco principal no conceito de ritornelo, este que para Deleuze é o problema da música: a música faz sempre ritornelos.

No responses yet

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *